Notícias

Pará tem até dezembro para confirmar incentivos fiscais ainda pendentes

Pará tem até dezembro para confirmar incentivos fiscais ainda pendentes

Pará tem até dezembro para confirmar incentivos fiscais ainda pendentes

A Lei Complementar nº 160/2017 trouxe alívio às empresas detentoras de incentivos fiscais estaduais concedidos sem aprovação do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). De acordo com o texto legal, não será cobrado das empresas o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos últimos cinco anos, bem como serão convalidados os incentivos fiscais em curso.

Contudo, apesar de o Estado já ter formulado dois Decretos convalidando os incentivos fiscais paraenses, ainda é necessário que, até o dia 31 de dezembro de 2019, seja aprovada uma Lei Ordinária ratificando a validade das normas de incentivo estaduais. Os incentivos fiscais que não estiverem relacionados no texto legal serão automaticamente revogados.

O alerta foi levantado durante o Seminário Reforma Tributária, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Pará (FIEPA) e o escritório Silveira, Athias, Soriano de Mello, Guimarães, Pinheiro & Scaff - Advogados, realizado na manhã desta terça-feira (03), na sede da Federação. O mestre e especialista em Direito Tributário, Leonardo Menescal, alerta que os contribuintes paraenses devem ficar atentos não apenas quanto ao prazo do Estado do Pará para aprovar a Lei Ordinária, mas também se a norma concessiva de incentivos fiscais relativas ao seu empreendimento está relacionada no texto legal. “Para tanto, é essencial acompanhar de perto o trâmite legislativo do Projeto de Lei na Assembleia Legislativa. O empresário precisa estar atento a isso”, diz.

Propostas de Reforma Tributária

Durante o Seminário também foram analisadas as diversas propostas de Reforma Tributária que estão na espera de pautas do Congresso e na boca dos especialistas. A apresentação foi feita pelo doutor em Direito, Fernando Facury Scaff, que mostrou os problemas do atual Sistema Tributário, o histórico de tentativas de Reformas dos governos passados e as propostas em evidência no momento.

Para Scaff, os projetos pensados até agora não resolvem a questão tributária, pois, segundo ele, há um conjunto de outros aspectos que não estão sendo considerados pelos parlamentares, que estão preocupados apenas com o âmbito constitucional. “A Reforma Tributária é um tema relevante, que atinge os negócios e as pessoas como um todo, mas existem aspectos importantes que não estão sendo observados. Questões do dia a dia como o elevado percentual de multas tributárias, dificuldades de obtenção de certidões negativas de débito, instituição de substituições tributárias desnecessárias, dentre outras situações. Para reduzir a carga tributária, a solução é a redução de alíquota, simplificação tributária, redução de encargos e exigências de burocracias fiscais e facilitação de operações para as empresas”, diz.

O Presidente do Sistema FIEPA, José Conrado Santos, considera o Seminário importante para dar embasamento ao setor nas conversas com os parlamentares. “A maior dificuldade que temos é avançar com esta simplificação das obrigações tributárias que consomem uma boa parte do nosso tempo nas empresas. Também é importante entendermos juridicamente todas estas questões para embasar os parlamentares e defender as necessidades do segmento empresarial com mais propriedade”.

Para o presidente da Associação Comercial do Pará (ACP) e vice-presidente da FIEPA, Clóvis Carneiro, muito se precisa avançar nas propostas. “As propostas colocadas até agora para a Reforma Tributária não são eficazes, não resolvem os problemas que enfrentamos hoje. A nossa expectativa é que sejamos chamados ao debate”, destacou.

Compartilhar:
LOCALIZAÇÃO
Tv. Quintino Bocaiúva, 1588 - Nazaré -
66035-190 - Belém/PA
CONTATOS
(91) 4009-4900
ascom@fiepa.org.br
SIGA A FIEPA